Uma nova geografia

A web se tornou um incrível impulso para o meu autodidatismo. Acredito que isso tenha sido bastante comum nessa época, mas somente hoje é que eu me dei conta da extensão desta invenção. Desde 1995 eu venho lidando com a ferramenta, passando primeiro pelo acesso mediado através dos BBSs e depois ao acesso direto.

Eu entrei na Universidade em 1996 e lá, o acesso era rápido e gratuito. A USP também dispunha de uma biblioteca multimeios, repleta de CDs musicais, DVDs, Filmes em VHS e até mesmo alguns CD-ROMs.

Na época, pude suprir deficiências na minha formação escolar. Li todos os clássicos da literatura universal que pude, ouvi muita música, refiz meu caminho nas histórias em quadrinhos, melhorei meu inglês, li sobre psicologia, filosofia, sociologia, neurociências, arquitetura, artes plásticas.

Eu aprendi muito usando as bibliotecas da USP, mas a utilização da Internet foi se tornando cada vez mais importante para mim. De casa eu acessava o sistema Dedalus e podia descobrir se havia um livro determinado em toda a rede de bibliotecas da Universidade. Eu podia levar um CD para casa e ripá-lo totalmente em MP3.

Mais tarde eu conseguia PDFs inteiros e podia imprimi-los (no começo eu ainda fazia muito isso) para consultar a qualquer momento. E ainda os filmes, as séries, as legendas, Youtube, Vimeo e tantas outras idéias.

O que sempre foi notável para mim era essa sensação de horizontalidade. Você podia começar a conhecer algo em qualquer ponto e encontrar pessoas no mundo todo, em diferentes momentos de estudo do mesmo conhecimento e pedir ajuda. A cultura do compartilhamento começou a se formar.

E como eu imaginava no início, a Internet começou a se tornar um espaço que também permitiria novas interações sociais e isso iria transformar nossa noção de governo, democracia e participação social.

Então o cerco se fechou. As grandes corporações começaram a comprar start-ups interessantes. As políticas de privacidade passaram a valorizar mais a capacidade de vendas dos dados do que a privacidade real. As interações com outras pessoas passaram a ser mais restritas, a não ser que você pague algo (e ainda assim, o resultado sempre me parece uma fraude completa). Empresas e órgãos de segurança começaram a formar essa aliança funesta, desvendada por Snowden e Assange.

E agora eu vejo essa geografia como uma espécie de vale de lágrimas. A internet virou o terreno da lamúria, da mentira, do inútil. A potência inicial ainda está lá, mas se tornou mais difícil de ser vista por todos. Estou preso a essa rede social limitada, porque todos os meus amigos estão lá…

Não.

Hoje eu vi isso. As corporações e o governo percebem o perigo de se estabelecer relações horizontais com seres humanos de qualquer lugar do planeta. Percebem que isso pode mexer nos bolsos desses 1% que dividem os 50% dos nossos recursos. Percebem que podemos compartilhar informações que nos permitam saber quem são esses, como estamos dando dinheiro a eles e de que maneira podemos cortar essa remessa de recursos.

Somente a web poderia trazer essa informação para todos.

Parece que é sobre a privacidade, parece que é sobre direitos autorais, ou sobre terrorismo. Mas na verdade é sobre uma possível democracia real que se vislumbra no horizonte.

A web pode ser uma espécie de Eldorado.

Um novo continente, com leis próprias.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *