O melhor de nós

O que ontem era o sol, agora é a lua.

Mas ao sol, atou-se o rei

o ouro

a riqueza

a razão

os valores

a lucidez

e então, quando a lua veio

o rei tornou-se um louco

o ouro desapareceu

a riqueza de apagou

a razão se perdeu

a torpeza virou moeda

a loucura virou hábito

Como foi que aconteceu?

Atado ao sol e percebendo a chegada da lua, o rei gastou enormes somas pretendendo manter para sempre o sol em seu lugar. Chamou para si os maiores sábios da terra e deu a ele recursos ilimitados para que resolvessem a seguinte questão: o que pode ser mais importante que o sol?

Mil homens se queimaram, por buscar as respostas além do sol, até que os sábios restantes entraram em acordo que além do sol só havia a morte.

Os homens que se lembravam da existência da lua tentaram argumentar, primeiro com os sábios e depois com o próprio rei. Mas foram enviados para além do sol, de maneira que pudessem provar seu argumento. Nenhum deles retornou.

Os poucos que permaneceram resolveram seus dilemas com segredos, códigos, mentiras e silêncio. Eles sabiam que além do sol havia a lua, que de fato, aquilo que já se avistava no céu já era a lua, mas que o rei e os sábios haviam mudado o nome da coisa para manter o significado do sol.

E isso sucedeu de tal maneira que, ao cabo de algumas gerações, os homens não sabiam mais o que era sol e o que não era e se tornaram dependentes dos sábios para que esses lhes interpretassem os sinais. Nesse tempo, não havia mais os homens que se lembravam de que aquele céu negro era de fato a noite. E os homens dessa época eram acometidos por estranhas imagens e monstros com os quais raramente podiam lutar.

Se tornou comum as histórias de gente que, enfrentando esses espíritos eram subitamente lançados e outro lugar, onde encontravam seus familiares, também eles acossados por monstros em distintos pontos do reino. Homens e mulheres dessa época já não distinguiam entre sonho e realidade e passaram a se armar contra os monstros imaginários, concluindo seus atos com assassinatos reais.

Rei, sábios, homens comuns, todos submetidos a uma cartografia impossível, a um território sem limites e a monstros que os atormentavam a todo instante, por mais escondidos que estivessem, sem que se pudesse diferenciar o dia da noite; o sonho, do real; a crença, do recurso.

Os homens empobreciam dia a dia, pois trabalhavam no sonho esperando a colheita na realidade. Sábios gastavam recursos reais com sonhos que nunca se esgotavam. E o rei perseguia miragens de homens obedientes e monumentos feitos em sonho, enquanto que na realidade, se via envolto em traições e intrigas, com seu valor decaindo mais e mais.

Os homens-segredo, aqueles que se lembravam da realidade do sol e da realidade da lua imaginaram que, a única maneira de fazer com que seus semelhantes acordassem de tal pesadelo era criar, na realidade, atos de sonho. Ordenar o sonhar, de tal maneira que a loucura dessa época fosse abalada pelo sublime.

Então criaram esses grandes espetáculos coletivos, monumentos fabulosos, direcionando recursos de reis e homens sábios para criar miragens que dessem direção ao sonhar. Mas a cada geração, tornavam os homens ainda mais dependentes.

Ainda se esforçando para resgatar o sentido, os homens-segredo tentaram o caminho inverso: criar no sonhar, atos de realidade. Nesse caminho entraram homens comuns, sábios e até mesmo o rei, buscando um espírito perdido em miríades de sonhos e imagens desconexas. Almas se silenciaram, sabedorias se abalaram, e reis se perderam, mas a realidade e o sonho continuavam mescladas com a loucura.

Nesse tempo, o tempo do agora, é o tempo em que os homens-segredo tentam trazer mais uma vez, sol e lua de volta. Eles agem na realidade e re-significam seus atos no sonhar. Ações de sol e ações de lua, para finalmente, colocar as coisas no devido lugar.

Chiaroscuro • A predominancia da visão

Sendo um blog, eu posso me dar ao luxo de publicar um artigo incompleto, uma reflexão ainda em processo. Não é uma tese, ou dissertação e ainda me faltam mais dados para expor claramente essas associações. Então elas ficam no lugar onde o artista predomina sobre o cientista, e logo ali adiante, num outro artigo ou numa conversa qualquer, a idéia brota inteira.

Celeritas, (velocidade ou a relação entre tempo e espaço) é a origem do nome da constante c=299 792 458 m/s, que corresponde à velocidade da luz no vácuo.  Um objeto a altas velocidades, próximo à velocidade da luz, não pode ser acelerado até, ou mais que, a velocidade da luz, não importando quanta energia é transferida ao sistema. Matéria estando sempre abaixo dessa velocidade, não importa quanta energia se transfira ao sistema. Quanto recurso se use para isso.

A quantia máxima de energia que se pode obter de um objeto é dada pela massa do objeto multiplicada pelo quadrado da velocidade da luz. E então, estamos limitados a isso, essa é uma espécie de cerca para os objetos materiais se manterem como objetos materiais, ali adiante, perdem coesão, perdem consistência e geram enormes quantidades de energia nestes processos. Uma energia que desintegra o objeto material como tal, que não lhe permite a continuidade. Então, em direção à luz, objeto material se converte em algo similar à luz, mas tal movimento não lhe acrescenta nada. Ao contrário, lhe desintegra completamente. Ele muda de qualidade.

E mais as equações complexas e mais as elocubrações sustentadas nessas equações. E mais o trabalho de mil homens e a prova cabal disso, de que a matéria convertida em energia se transforma em morte, quando bombardeamos Hiroshima. Então, essa violência nos colocou uma barreira. E dali em diante, a matéria e seus processos passou a ser cada vez mais degradada. E com isso o corpo. E todos os outros sentidos que o conectam com o mundo.

Me parece que a equação é a bomba. A grande bomba, antes mesmo de ser detonada. E a detonação como trauma da equação, nos limitando a esse axioma de que, rumo à luz, estamos fadados à morte. E=mc² sendo o Cristo crucificado, a morte do Deus elevado à luz. Então, nos contemos. Paramos aí. Não seguimos adiante. Não avançamos ante à realidade paradoxal que a morte e o além da luz nos propõe. E nossa vida material perde atributos e valores.

Não te parece o mesmo? O mesmo recurso traduzido em novo idioma, em nova época, em nova cultura, mas o mesmo limite? A mesma luz, usada como cerca, o mesmo círculo de giz?

Fadados a permanecer sempre aquém desse ponto onde o particular se converte em movimento para fora, em movimento em direção a algo, sendo esse algo o outro eterno, a realidade para além da cerca do indivíduo.

Que passa com essas metáforas de realidade? De onde surgem essas idéias? E porque, para mim, a imagem de Einstein não difere em nada das construções taoístas de Yin e Yang, da árvore sefirotal Cabalística, do Zodíaco de diversos povos, do Arqueômetro?

Sete cores do arco-íris, doze cores somando as primárias, secundárias e terciárias. Sete e doze, aparecendo milhares de vezes em distintos povos para dividir distintos atributos. Luz e trevas, claro e escuro. A luz, aquilo que possibilita o horizonte e as trevas, que nos colocam em contato com os outros sentidos do corpo. Com aquilo que ouvimos, tateamos, sentimos de dentro de nós mesmos. Com a nossa introspecção. Com aquilo que sentimos para além do que deveríamos estar vendo.

E as ilusões visuais. O rei, vestido de ouro. O rei sol. O máximo em luz. Aquele a quem nós empoderamos porque é um deus. A fronteira para além da qual está a morte certa e a desintegração. E então, o cidadão-corpo, o cidadão-partícula, o cidadão-matéria, ele se conforma com a sua condição. Ele sonha. Ele é lançado nesse mundo de sonhos, onde a luz é algo a ser evitado para que a mente permaneça mais tempo sonhando. Ele abre o olho e então, as ilusões lhe são lançadas. A cerca está lá. A luz, gerada por outros para que ele permaneça ali, sendo particular em seu medo da morte.

E no corpo, o cidadão sente a fome, a escassez, a violência, a presença indesejada de um outro que se converte numa matéria tão suja quanto ele. Seus impulsos em direção ao outro são contidos por decretos, por religiões, por ameaças de todo o tipo. E ele segue só, sentindo que essas coisas são suas. Lhe falta a luz, para perceber o outro à distância. O outro com sua peculiaridade, distinto, mas ainda, o mesmo humano que ele. No escuro, ele só sente a si mesmo. E quanto mais registros de sofrimento tiver do próprio corpo, mais terror ele terá da luz, porque a luz desde sempre significou a morte.

Para onde vamos, quando a luz deixa de fazer sentido?

Para onde vamos quando não estamos atrelados àquilo que vemos e sim aquilo que sentimos? O que diabos é isso que chamamos de energia, que é maior que nós, que está em nós, que processamos de diferentes maneiras inclusive, vendo a realidade de maneira ilusória. Atrás dessa cortina chamada percepção visual.

Atados ao ritmo circadiano, agimos na luz e sonhamos nas sombras. Isso tem alguma relação com o hipotálamo, que regula nossa homeostase (capacidade de adaptação térmica),  conecta-se ao sistema endócrino (todas as secreções hormonais que regulam a química interna do corpo), e o sistema nervoso autônomo (sistema neurovegetativo ou sistema nervoso visceral – o lugar de excelência do centro Vegetativo, de Gurdjieff e Silo). O controle do sistema da vida está intimamente relacionado com a percepção do dia e da noite. O hipotálamo era chamado pelos egípcios de “Olho de Hórus” (o deus dos céus – ou da percepção do dia e da noite, pois um olho do deus era a lua e o outro o sol).

Não é possível atuar sobre esse aspecto do sistema nervoso voluntariamente, quer dizer, um indivíduo controlar o próprio sistema  nervoso autônomo (mas existem relatos de grandes iogues que chegaram a isso). No entanto, você conseguiria uma atuação sobre o sistema nervoso de outros seres humanos se fosse capaz de alterar a percepção deles do ambiente circundante. Como?

Manipulando a imagem. Gerando dia e noite a partir de imagens. Atribuindo significado a determinadas imagens poderosas. Representações de forças titânicas do homem como se fossem figuras externas, na forma de deuses e mitos.

Então você engendraria em milhares o temor à morte pelo temor à lucidez. E os manteria presos a um sonho.

Essa técnica tem sido usada milhares de vezes em distintos momentos da história e funciona repetidas vezes. Do mito de Prometeus  à Lúcifer, de Mitra a Cristo até chegar em Einstein e sua equação. A mesma tradução da luz como limite. E depois da luz, a noite paradoxal e sem imagens.

Por isso algumas iniciações podem ser assustadoras para o status quo. A idéia de “iluminação” (novamente a luz), de acordar de um sonho, de união com o divino, de realizar o propósito, de liberação e finalmente, sair da cerca e do circadiano.

Lucidez vai implicar em ação. Ação verdadeira. Ação conectada com o propósito, com a Verdadeira Vontade.

Dharma.

E rebelião.

Despedida

Queridos,

Eu sempre soube que essa hora chegaria, o tempo em que a casa ficaria justa demais para os meus sonhos e seria preciso remover o teto para voar ainda além. Eu estive aqui, com vocês durante todo esse tempo e partilhei um sonho. Lutei por ele dia a dia, construí dentro de mim essa coisa que agora viva, pede para explorar outros espaços.

Eu não posso permanecer na companhia de vocês sem me sentir tolhendo essa coisa. Eu podia dar a mão a vocês e dizer, “não eu venho um pouco mais, eu fico aqui até que vocês se habituem à minha ausência crescente”. Mas não. É preciso ir e já. É preciso que eu vá, que me distancie desse espaço que compartilhamos durante todo esse tempo. Preciso encontrar o que sou fora daí. Preciso ver o que sobra, quando não estou apoiado nessa estrutura que vocês me oferecem.

De minha parte, dei tudo o que pude e sei que vocês também o fizeram. Se não demos mais do que isso, é porque sentíamos que não podíamos, que seria demais para nós mesmos. E tudo bem para mim.

Foi uma honra partilhar da presença de vocês.

Mas agora, eu parto.

E não nos veremos por um longo tempo.

Estarei ocupado semeando esse sonho.

Nunca deixarei de amar nenhum de vocês.

Vou embora sem mágoas, sem nenhum ressentimento.

Nesse peito, só gratidão.

Namastê

(Para meus queridos amigos e amigas do Viavidya, lugar onde atendi nos últimos três anos)

Crise da justiça

Eu fui assaltado uma vez, ali na região da Santa Efigênia. Estava com R$ 800 no bolso direito e um celular Sony, com MP3, que era uma novidade na época. A dupla de assaltantes ficou com o celular e me deixou com o dinheiro e uma bermuda toda rasgada (porque eu resisti, colocando as duas mãos nos bolsos da bermuda enquanto eles tentavam rasgar os meus bolsos para pegar o celular).

Quando acontecia uma ocorrência dessas, quando eu era criança, juntávamos a nossa turma da rua e íamos até a casa do “assaltante” para descer-lhe a porrada e tomar de volta aquilo que ele tinha roubado de nós. Eu era criança e mais selvagem, e a mãe do nosso amigo “assaltante” era autoridade o suficiente para que nós não chegássemos às vias de fato, mas tivéssemos nossos pertences restituídos e a justiça efetivada.

Então eu fui até a delegacia, achando que ia encontrar meus amigos lá. A recepção tinha um cara de mau humor, armado, atendendo mal a uma pessoa que estava na minha frente tentando prestar queixas. Ele olhou pra mim e disse: “que foi?”. Eu tentei contar a história do assalto, mas ele me cortou no meio e disse: “senta aí e espera” e em seguida se virou para um outro policial que apareceu e começou a desfiar o rosário. “São aqueles nóias ali da Rio Branco. Que merda essa delegacia, só tem ocorrência, esses nóias do caralho, os caras podiam ter me mandado para…”

Eu saí, revoltado. Fiquei indignado com o fato de alguém ter sido contratado para fazer um trabalho e reclamar do trabalho, fazer mal o seu trabalho, reclamar quando alguém lhe pede que faça o seu trabalho. E mais indignado ainda de ser eu o patrão e não poder demitir um merda desses. Fiquei indignado de ser praticamente coagido a respeitar um funcionário público que não teve o menor respeito pelos cidadãos ali presentes.

Dois desses meus amigos de infância já foram policiais. Um deles, tenente. O outro soldado. O tenente tinha um tratamento muito diferenciado do soldado, e para ambos, a questão de fazer o trabalho nas ruas era uma espécie de sujeira grossa. Quase um castigo.

Um outro amigo meu é policial federal, trabalha com busca e apreensão. Basicamente ele entra numa favela com um funcionário da Caixa para cobrar empréstimos do Construcard que não foram honrados. E se o cara não paga, ele apreende algum bem em penhora, carro, geladeira, qualquer merda dessas. Lindo de se fazer, não?

Eu fui entendendo o mau humor do delegado aos poucos. Com o passar dos anos, fui colecionando depoimentos que eu nem sei se são sempre reais. Mas fui criando esse perfil do policial para mim mesmo. Um cidadão, lutando pelo seu ganha pão, presta um concurso público em busca de estabilidade financeira, recebe um treinamento e é lançado nas ruas com seu uniforme, uma arma péssima com balas limitadas, um colete que ele mesmo tem que comprar para ser de boa qualidade e depois ganha um salário de merda, então ele tem que fazer justiça, que é prender um outro fudido que nem ele que desistiu da estabilidade e resolveu que vai ganhar dinheiro ou morrer tentando.

Eu sei que os policiais prestam serviço de segurança privada nos seus dias de folga para complementar o salário. Sei também que é prática comum que eles prestem esse serviço com suas fardas, porque isso impõe respeito, que é afastar o ladrão. Então eles cumprem essas escalas de trabalho monstruosas e para completar o seu salário, precisam trabalhar nos dias de folga prestando “consultoria” para alguns comerciantes, bancos, postos de gasolina, etc.

Outro amigo mora num condomínio fechado e teve um vizinho alucinado por causa da cocaína gritando a noite inteira. Ele tem duas filhas pequenas e chamou os policiais. A esposa queria se mudar da casa. O guarda disse: “não esquenta não mano, isso é só cocaína, já vai passar. A casa é sua, não sai não mano.” Meu amigo achou insensibilidade, mas pensou que isso deveria ser coisa normal para o policial. Para que o vizinho fosse despejado do seu contrato de aluguel bastava que o policial tivesse preenchido o boletim de ocorrência com a acusação de consumo de drogas, mas ele achou melhor preencher “chamado por motivo fútil” e o caso ficou encerrado.

Um veterinário comentou comigo que trabalhava numa clínica em que um policial prestava serviço. Houve um assalto num comércio ao lado e esse veterinário viu para onde os assaltantes correram. Todos os moradores sabiam que o policial estava na clínica e foram até lá exigindo providências. Ele fez uma voz de super herói enquanto perguntava ao veterinário: “para onde foram os assaltantes”, ao que o veterinário respondeu “por ali” e o policial então disse “então eu vou para o outro lado” e foi.

Quando voltou, o veterinário indignado, perguntou a ele porque ele tinha ido para o lado contrário. A princípio ele ficou em dúvida se o policial tinha entendido mal, mas o soldado então explicou que ele tinha que prestar conta das balas que usava, que se amassasse o carro numa diligência precisava pagar do próprio bolso, que o colete que ele usava foi ele mesmo quem comprou, porque o colete fornecido é uma porcaria, etc…

E se somam os depoimentos…

Então quando eu vejo os policiais nas ruas, reprimindo violentamente os protestos, eu sinceramente não entendo…

Porque é que eles não estão do nosso lado?

Porque ainda falamos nós e eles?

Eu vejo semelhança no fato de os professores da rede pública serem maltratados pelos alunos e vice versa. Eu entendo que os professores são a tropa de choque do governo, ganhando mal, com a auto-estima péssima, em situação de castigo quando vão para as escolas públicas da periferia e encontram a molecada revoltada com as péssimas condições de vida e a educação de quinta categoria.

Cada um deles, professores, alunos e pais, querendo a tal estabilidade financeira, que consiste em comer merda e bater naquele cidadão que está ao seu lado e resolve roubar a merda do vizinho.

Porque é que não paramos com isso?

 

Explicando o super-herói

Pai, olha só, veja! Um super-herói!

O sujeito em questão era o Wolverine, cara de mau, garras de fora, estampado no baú de um caminhão.

E eu, pai de três filhos homens, que li histórias em quadrinhos até os 25 anos…

Ele tá nervoso. Ele tá assustado. Ele tá muito bravo.

Pedrão, com sua simplicidade em expressar as emoções.

Eu gosto de Wolverine. Ele é forte.

Ai caralho, filho! Ai merda! Gabriel se entusiasma com Wolverine.

Eu gosto mais do Kiriku. Ele é muito esperto.

Ele é corajoso, né pai? – Gabriel parece estar comprando a idéia.

Eu acho filho. Acho mais legal assim. Você lembra da feiticeira Caravá?

Ela tava muito nervosa porque ela tinha um espinho nas costas. – Diz o Pedro.

Ela tava nervosa e ela quebrava tudo e bagunçava tudo. – Reforça o Gabriel.

Ufa. Parece que estamos andando.

Engraçado esses super-heróis. Eu acho eles parecidos com a feiticeira Caravá. Porque eles estão sempre nervosos, sempre quebrando tudo, jogando o carro no outro…

O Homem Aranha ficou muito nervoso. Ele está assustado. – Diz o Pedro.

Pra mim, super-herói mesmo tinha que resolver as coisas que nem o Kiriku. Com coragem e esperteza. Esses super-heróis que nem o Hulk, o Homem Aranha…

O Capitão América, tem o Ben 10… – Diz o Pedro.

O Bátima. – Diz o Gabriel.

Eles estão muito de cabeça quente, filho. Estão quebrando tudo. E eu acho que quando a gente fica nervoso e bate no outro é porque a gente se perdeu. A gente fica sem saber o que fazer e acaba batendo no outro porque perdeu a cabeça.

Lembrando que eu faço muito isso. Lembrando que eu sou covarde com eles. Lembrando que eu me sinto um bosta quando perco a cabeça com eles porque não sei o que fazer e parte do pacote de ser um pai é não saber o que fazer e fazer bosta.

Eu gosto do Hulk. – Diz o Gabriel.

Eu também filho. Eu também. Mas o Hulk é o mais nervoso. É tão nervoso que as calças dele até se rasgam.

É. E ele fica só de cueca. – Diz o Gabriel.

De cueca não, seu malucão! – Diz o Pedro.

É, de cueca. – Diz o Gabriel.

Não é cueca, Gabri. É a calça dele que fica bem pequena e rasga porque ele cresce de tanta raiva. Cresce, fica nervoso e sai quebrando tudo.

Lembrando que eu sou o Hulk. Que eu já fui mais Hulk do que hoje. Que eu sou viciado em ser Hulk. Que eu preciso lutar com esse Hulk o tempo todo.

É. Ele joga o carro no prédio. Ele pega assim ó, e joga lá longe. – Diz o Gabriel.

E as lojas que tem no prédio? E as pessoas que estão no prédio? E o dono da loja? O Hulk fica nervoso e não pensa em nada disso. Ele joga o carro e quebra tudo. Mas tem também aquelas pessoas todas.

É. – Diz o Gabriel.

E tem o Capitão América, o Batman, o Homem Aranha, o Ben 10… – Diz o Pedro.

E eu, sem saber direito como é que isso ia entrar neles, sem saber se estava fazendo bosta ou não, eu então disse a eles:

Filhos, as pessoas que inventaram esses super-heróis, o Hulk, o Capitão América, o Batman, todos esses… eles estavam tentando convencer a gente de que bater no outro é uma coisa legal. Que tem gente que merece apanhar e que isso é certo. Eles fazem isso para tentar fazer com que a gente apóie uma coisa chamada Guerra, que é a coisa mais vergonhosa que o ser humano pode fazer. A Guerra é um monte de gente que bate uma na outra, que quer ver o outro chorando, que quer ver o outro machucado e acha isso certo. A Guerra é uma perda de tempo, uma vergonha. Por isso é que o papai gosta do Kiriku. Porque o Kiriku consegue gostar de todo mundo…

Até da feiticeira Caravá, né pai? – Diz o Gabriel.

É filho. Até da feiticeira.

 

Comprometimento

Que diabos fazer com essa isso que não gere em você essa sensação de estar atado às minhas expectativas? Que diabos fazer com comprometimento que não signifique condicionamento, chantagem, aprisionamento?

Eu te pergunto se você está comprometido e você me olha com essa cara de dúvida. Com essa pergunta eu já te condiciono? Já te imponho uma resposta a ela que me agrade de algum modo?

Com o quê você está comprometido? Com seus interesses. Você realmente sabe quais são eles? Você sustenta esse interesse hoje, amanhã e depois? E depois ainda? Você tem claro o que quer para si mesmo, internamente? Você não fará essa promessa para si sabendo que amanhã vai traí-la?

Então eu te pergunto se você está comprometido e você me olha tentando adivinhar com o quê eu estou comprometido quando te faço essa pergunta.

É desconfortável para você assim como é para mim?

Então você responde algo que me afaste de você por tempo suficiente para que você realmente entenda do que se trata. Você precisa de mais tempo para saber se pode ou não se comprometer comigo. Você ganha tempo, diz que sim, que está comprometido. Mas amanhã, não sabe o que fazer. Não sabe como tomar a iniciativa e vai improvisando. Você olha para mim e fica com a sensação de que me deve algo. Você se justifica. Tenta explicar. Cria outros adiamentos. Comprometimento vira adiamento. E as coisas que poderíamos fazer juntos, não se revelam, porque não há intimidade suficiente.

Você está comprometido com você mesmo? Está? E como é? O que você quer da vida e porquê quer isso? Você já não tem isso que quer da vida? Você realmente precisa desse recurso? Precisa que a vida te ofereça isso pois do contrário você não será feliz?

Que poderia ser comprometimento que não uma prisão?

Eu poderia sair perguntando a todas essas pessoas se elas estão comprometidas e criar mil maneiras de elas expressarem formalmente seu comprometimento, executando tarefas e ritos previamente determinados. Mas quanto tempo isso poderia durar? Eu já fiz isso e a única coisa que vi foi que estava sendo um tirano. E autorizando a que outros me tiranizassem. As pessoas me deixaram falando sozinho. Carregando o peso da minha idéia sozinho. E eu agradeço a elas por isso. Sem essa ação eu não teria visto a minha loucura.

Eu me comprometo comigo mesmo e me libero de você para que você faça o que bem entender. Meu movimento não está atrelado ao seu. Eu estou aqui. Eu te apóio. Mas não vou condicionar seu movimento ao meu e vice-versa. Estou aqui porque quero realizar esse comprometimento comigo mesmo, sem falhar comigo mesmo. Porque entendo que esse comprometimento comigo é o que gera fartura. Não por um senso de obrigação externo, mas pelo prazer de estar fazendo a única coisa que realmente faz sentido para mim. E para isso eu preciso me manter livre de você e dos seus assuntos.

Faça o que bem entender. Esse é o único comprometimento que espero de você.

 

A Máscara

Filho, é muito importante que você tenha sempre isso em mente, quando estiver diante de uma situação em que a sua liberdade estiver ameaçada. Não existem instituições. É isso mesmo. Elas não existem. Aquele homem que está ali na sua frente e que diz representar uma instituição qualquer, ele está mentindo. Ele talvez não saiba disso inteiramente, conscientemente. Mas em algum lugar dele, isso está emitindo sinais.

Ele está usando uma máscara, que é a instituição que ele diz representar. E qualquer homem que use uma máscara é alguém amedrontado. Do que ele tem medo? De você. Do outro. Do diferente. De alguém livre.

David Thoreau olhava para o homem que vinha insistentemente lhe cobrar impostos do governo e sabia com o quê estava lidando. Com um homem, seu vizinho, vestido de governo, que se incomodava com a coragem dele de ser um homem livre. Então esse vizinho chegava na sua porta, a título de cumprir “o seu trabalho” e lhe impunha o pagamento de um tributo ao “governo”. Quem era o governo? Era o vizinho. O dinheiro chegaria ao seu destino, dilapidado, com toda certeza por mil outros vizinhos, cada um deles cobrando o seu tributo ao anterior.

Isso é como quando vocês dois estão brincando aqui na sala e por acaso disputam um brinquedo. Aqui em casa, a priori, os brinquedos são de vocês. De ninguém em particular, nem seu, nem do Pedro. Eu e sua mãe fazemos questão disso, mesmo quando as pessoas dão um brinquedo para você e outro para o Pedro. A gente acha que um recurso dividido é um recurso que se multiplica e então não fazemos essa distinção para vocês.

Mas quando vocês disputam um brinquedo e não conseguem resolver esse assunto entre vocês, e vou observando a progressão de argumentos que levam inevitavelmente à solicitação de um de vocês para que eu, ou sua mãe, ou qualquer outro adulto seja o mediador da relação. Porque vocês fazem isso? Porque querem usar algo que submeta o outro à sua vontade de brincar com o brinquedo que está agora nas mãos dele. Esse algo é o adulto. O maior, o mais forte.

“Porque não resolvem entre vocês?” Eu pergunto. E um responde: “Foi o Pedro” e o outro “Foi o Gabri”.

Vocês estão tentando me manipular. Eu estou nos meus assuntos e então me aparece essa solicitação. E vocês como crianças são muito intensos e nos exigem resposta imediata. Repetem mil vezes a mesma coisa. O mesmo tipo de técnica que os torturadores usam para dobrar os prisioneiros. E então, se não estamos atentos ao nosso psiquismo, a gente se dobra por uma solução simples. E o processo acontece assim: se o Gabriel sempre mente, com certeza o Pedro tem razão. Se o Pedro sempre chora por qualquer coisa, com certeza o Gabriel não fez nada. Reduções estúpidas de cada um de vocês.

E eu tomo uma decisão limitada, com base em argumentos fúteis, numa situação na qual eu não tenho nenhum interesse a não ser que vocês me deixem em paz. E eu nunca estive envolvido nisso. Nunca. Não quero brincar com o carrinho. Quero escrever, conversar com sua mãe, brincar com o Francisco, ou quero estar com vocês sem estar nesse papel estúpido de juiz de quem deve ficar com o pedaço de argila maior.

E então eu digo: “Gabri, quem estava com o carrinho?” e você responde “O Pedro”. E você então fica murcho e devolve o brinquedo ao seu irmão. E o Pedro fica sendo esse bunda mole, que precisa pedir sempre a minha intermediação.

Ou então eu digo: “Pedro, tá chorando porquê?” e o Pedro responde “O Gabri”. E eu digo: “Vá lá e tome dele o carrinho!”. E autorizo o outro a usar a força contra você. E você fica sendo um covarde, que vai ter que mentir sempre para conseguir o que quer.

Eu às vezes digo, sem paciência: “Me deixem em paz! Lutem entre vocês e eu crio quem sobreviver.” Mas também é inútil tudo isso.

E quando eu nem ligo para vocês, ou percebo que vocês estão com sono, ou querem minha atenção, quando eu não ligo para o carrinho ou qualquer outra coisa, aí vocês resolvem o assunto.

Então, filho, a instituição é essa coisa. Uma máscara que a gente usa para conseguir que o outro faça aquilo que a gente acha que ele deve fazer para nos agradar. E aquilo que nos aprisiona na instituição é essa manobra que fazemos para tentar agradá-la. Pagar imposto, bater continência, ajoelhar e fazer um sinal da cruz. Bobagem tudo isso. Deixe o outro em paz!

Tenha coragem de dizer o que realmente quer e de ver o limite do próprio desejo expresso na presença do outro e do querer dele. Aprenda a dividir com o outro, a negociar com o outro. Aprenda a ver que com o outro a brincadeira é melhor, mais legal, mais gostosa. Pare de ter medo do outro, de manipular o outro, de torcer as palavras de um terceiro para que o segundo lhe obedeça e você seja o primeiro. Pare com isso.

Olhe para o homem na sua frente e veja o homem. Veja como é frágil, como tem medo de estar vivo, como está só com suas coisas. Veja como ele se sente único, como ele também quer ser o primeiro porque acha que não é amado o suficiente, porque agora ele tem um irmãozinho menor e mais fofo do que ele. Veja como ele perdeu o amor próprio em algum momento.

E então, olhando esse homem, não se sinta melhor que ele. Veja como você é igual a ele, em tudo. Por fora, é diferente. As histórias de cada um parecem ser diferentes. Mas no fim, filho, somos tão iguais. Sete bilhões de seres iguais em natureza. Iguais nesses sentimentos, nessas dúvidas sobre o que é estar aqui dividindo tantos brinquedos com tantos outros, todos iguais. E sem nenhum papai ou mamãe para dizer de quem é o carrinho. Estamos sós aqui. E todo mundo tem esse lugar que dói.

E então filho, na frente desse homem que se acovarda, veja esse lugar que dói nele. Veja como dói. E aperte esse ponto, sem piedade.

Aperte nesse homem o lugar que lhe dói. Seja firme com ele. Mas seja delicado, lembre-se do quanto ele é frágil. Lembre-se do quanto ele é você. Aperte o homem na esperança de que ele veja quem é, por trás da máscara. Aperte o homem e veja que ele e você são um e que tudo é de todos.

E agradeça ao homem quando ele apertar esse lugar em você, porque quando ser aperta um homem no lugar em que lhe dói, a gente também aperta esse lugar na gente. E isso traz tudo o que precisamos saber sobre nós mesmos e sobre o outro.

Se algum dia, filho, existisse uma instituição real, teria que vir desse encontro.

Dessa generosidade entre duas pessoas que se mostram inteiramente, como eu e sua mãe buscamos viver todos os dias.

O resto, filho, é máscara. É covardia.

 

Take it back

Mãe, eu fiquei dependente de você. Me senti um incapaz e então eu fui deixando que você fizesse todas as coisas por mim, por puro conforto. Então eu me tornei essa coisa excessivamente pesada, preguiçosa e insegura. Hoje eu percebo que você é quem fez com que eu me sentisse um incapaz para que eu me sentisse dependente de você. Mãe, teu nome é corporação.

Pai, eu fiquei dependente de você. Por preguiça e eu deixei de buscar meu próprio sustento e então eu me tornei esse covarde, escondido embaixo das saias de minha mãe. Me senti um incapaz de lidar com o mundo e com os meus irmãos e necessitava de sua constante mediação nas nossas relações. Hoje eu percebo que foi a sua omissão quem me deixou neste estado. Pai, teu nome é governo.

Irmãos, eu fiquei dependente de vocês. Não suportava a vossa presença e fiz da minha vida o esforço de ficar só. Queria tudo para mim, queria que vocês fossem meus escravos, que me atendessem as vontades. Queria anulá-los para que eu brilhasse mais. Eu me sentia um incapaz, um covarde. Hoje eu percebo que vocês também se sentiam da mesma maneira e por isso todos nós estávamos presos nessa condição. Irmão, teu nome é religião.

Hoje eu decreto a minha liberdade.

Ainda pesado demais, preguiçoso, inseguro, covarde, egoísta, selvagem e incapaz eu me liberto da necessidade da presença dessa família na minha vida. Vou construir minha própria família. Serei minha mãe, meu pai e meus irmãos. E os serei à minha própria maneira. Serei a teta, o dinheiro e a companhia de mim mesmo.

Serei minha esposa e meus filhos.

Serei meu próprio chefe, meu próprio governo, meu próprio deus.

Vida: faça você mesmo (DIY)

Eu sempre gostei disso, de fazer eu mesmo, de descobrir como se faz uma coisa e tentar fazê-la do meu jeito. E ainda assim, eu tenho preguiça. Falta de habilidade. Medo que dê errado. Medo de perder tempo. Medo do ridículo. Medo de errar.

Com o passar dos anos, eu fui adquirindo habilidades que vieram dessa prática de recombinar as coisas à minha volta.

Nem sempre eu sei o que estou fazendo ou como fazer alguma coisa. Mas é muito difícil para mim essa etapa de as pessoas ficarem discutindo algo para ver qual a melhor maneira de resolver um problema qualquer. Eu fico pensando sozinho, a maior parte do tempo. Olhando os recursos à minha volta e pensando se eu não poderia resolver o problema presente com aquilo que já está na minha frente. Sem precisar adicionar nenhum recurso a mais. Mesmo quando eu não consigo resolver a situação dessa maneira, não faço a opção de me juntar aos outros e ficar discutindo. Eu prefiro um mutirão a um debate.

Então eu prefiro fazer, mesmo que eu não saiba como fazer. Prefiro me mover logo e ir explorando todos os recursos que estão à minha volta. Fazendo tentativas e erros. Recombinando formas, possibilidades. Às vezes eu consulto um manual qualquer, para descobrir se alguém já pensou em usar aquele recurso de outra maneira. Ou se o manual prevê algo assim. Muitas vezes não. O manual foi escrito para aquele recurso ser usado somente daquela forma, da maneira mais rápida possível. Então, quando você se vê diante de um recurso que não funciona mais da maneira que está escrita no manual, a nossa idéia é a de que ele não funciona mais. É lixo e precisa ser substituído por outro recurso. E eu ainda duvido disso e continuo investigando. Aquele recurso é feito de recursos menores. É algo que se compõe de outras coisas e talvez algumas dessas coisas ainda sejam úteis à sua maneira.

Então vou acumulando esses recursos inúteis à minha volta. Coisas que eu ainda não sei o que fazer com elas, mas que percebo que poderiam ser úteis de alguma maneira. Chega então esse momento em que eu tenho que dispensar coisas porque não terei disposição, energia ou tempo para usar esses recursos e os espaços de que disponho para guardar o que pode ser útil são limitados. Preciso liberar espaço, distribuir esses recursos de alguma maneira, jogar fora e esperar que aquele excesso sirva para alguém ali adiante. Então descubro que o espaço vazio é um recurso valiosíssimo.

Esses dias eu estava pensando sobre democracia e cheguei à conclusão que é algo desse tipo: faça você mesmo. Porque quando eu desisto de fazer eu mesmo e resolvo contratar um profissional para resolver algo, o sujeito olha para a minha roupa e tenta enxergar o que eu tenho na carteira. O trabalho dele vai valer o quanto ele acha que eu posso pagar. Ele me cobra esse imposto e vê quanto eu consigo pagar disso. Se colar, colou e ele vai faturar muito às minhas custas. Então democracia de representação é isso: um cara que vai mentir para você para conseguir o seu recurso enquanto ele não cumpre o que promete. Faz mal feito, sem atenção e vai embora, largando o problema na sua frente e você ainda vai ter que dispor de mais recursos para resolver.

Então porque eu faço isso? Porque tenho medo de fazer errado, de não dar certo. De pagar o preço pelas minhas ações. Porque não consigo lidar com o outro de forma direta, elejo um grupo qualquer e me faço representante daquelas pessoas. Ou elejo um representante entre eles. E é esse infeliz aquele que vai lidar com os meus desafetos. Se eu não quero que aquele sujeito faça isso, reclamo com o síndico, o guardinha da rua, o gerente da loja, o patrão, o segurança, o vereador, o prefeito, o governador, o presidente. Preguiça de tomar a ação nas minhas mãos. Preguiça de ir lá conversar com o sujeito e ver ele me dizer que o direito dele é mais direito que o meu. Preguiça de ir lá e achar nessa relação quais são os nossos direitos. O que pode ser melhor para nós dois. Preguiça de dizer bom dia pro vizinho e de responder quando ele diz. Preguiça de saber o nome da pessoa.

É em nome dessa preguiça que eu contrato um filho da puta que vai me decepcionar ali na frente, com a ilusão de que estou ganhando tempo, dinheiro e recurso. Não. Não estou. É uma tremenda perda de tempo isso.

Quando eu tenho a disposição, alegria e energia para isso, me junto com esses que estão à minha volta e compartilhamos algo que vai ser legal para todos. Cada um faz o melhor que pode, o melhor que consegue. E o resultado desse arranjo é do tamanho da nossa disposição. Se hoje não foi tão bom, a gente melhora na próxima.

Democracia é esse piquenique com os amigos.

É o dia em que as famílias se juntam aqui em casa e decidimos que vai ser legal colocar nossos filhos para brincar enquanto a gente cozinha alguma coisa e conversa sobre a vida. Estamos em momentos parecidos e de repente o manual do outro tem alguma informação que o meu não tem. O jeito que o outro está tentando viver talvez tenha alguma pista sobre a minha dificuldade em viver. Que recurso maravilhoso esse!

Ou aquele momento, num grupo, numa reunião em que o sujeito diz a coisa de uma maneira que me incomoda e eu tenho a coragem de dizer isso a ele, diretamente. Naquele momento exato e não depois. Não para o outro que está do meu lado, fazendo intriga ou fofoca. Não em nome do grupo ou do partido ou da empresa. Em meu nome. Digo a ele que aquilo me desagrada porque parece que ele está tentando me ferir com aquilo. Ele me diz que não era a sua intenção. Que aquele é o seu jeito de expor as coisas. E então vamos chegando numa maneira em que eu entendo o seu jeito e ele entende que se passar de certo ponto vai me ferir. Vai invadir o meu espaço. E porque eu sou sincero, o outro passa a me considerar. Ele não vai me ferir intencionalmente. E se o fizer, vou perguntar a ele porque ele o fez e ouvir as suas motivações. Eu exponho meus limites e ele expõe os seus.

Não posso ter medo desse sujeito. Não posso criar um governo que me proteja dele. Não serei covarde. Vou cuidar da minha relação com ele da minha maneira. Fazendo eu mesmo, porque isso pra mim é a democracia.

Pra isso eu tenho que ter calma porque os recursos à nossa volta, incluindo a linguagem que usamos, a cultura, etc… já foram tão usados para essa covardia, para essa preguiça, para essa maneira de eleger um representante que me limpe a bunda ou lave a louça que eu não desejo lavar, que é muito comum que eu nem saiba como expressar o meu limite ou aquilo que estou disposto a cumprir numa relação com outras pessoas. Eu mesmo nem sei como agir nessa situação.

Então volto ao meu velho procedimento, que por hora tem dado certo. Ao invés de passar horas discutindo sobre como as pessoas deveriam agir para que aquele encontro fosse bom para todos, eu vou tentando me encontrar com as pessoas. Já ajo em termos de encontro. Não faço planos, não legislo, não me protejo. Me abro. Digo como me sinto, permito que o outro se expresse, mesmo quando ele quer fazer planos e eu não, e sigo adiante.

Democracia não é uma lei para ser executada amanhã. Não é um projeto. É uma prática diária, ou nada.

O Homem Livre

O recurso mais valioso de que se pode dispor é um homem livre.

Ele está ao seu lado voluntariamente, segundo seus próprios motivos, segundo seus interesses.

Não está condicionado a nada, está ali porque quer e porque sente que se beneficia desta relação.

Ele pode passar sem você, nada que você pode oferecer vai lhe causar dependência.

Ele é o tempo todo aprendizado, autonomia.

Quando age é com todo o seu ser. Se move no mundo realizando seu propósito e ao seu redor é só fartura.

O homem livre sempre gera ações que favorecem a liberdade.

O homem livre é primeiro uma decisão de trabalhar pela própria liberdade.

Se você quer ser um homem livre, semeie ações de liberdade.

Ninguém pode ser livre se depende do aval de outros para sê-lo.

Deixe o outro em paz e fique em paz.