Viagra com Eisenstein

Num taxi, indo para mais uma diária surpreendente.

“Vou para o Hotel Transamérica. Quando chegar lá, você dá um tempinho que eu vou chamar o pessoal da produção para te pagar a corrida.”

“Você vai trabalhar no hotel?”

“É. Os caras estão filmando no hotel.”

“Cinema?”

“Isso.”

“Você faz o quê no filme?”

“Sou ator.”

“Ah, rapaz, você é ator é? Então você vai me tirar uma dúvida…”

“Pode falar…”

“Cara, nesses filmes pornô, como é que o sujeito aguenta ficar quase meia hora sem gozar? Será que é remédio, ou alguma coisa? Não é possível uma coisa dessas…”

“Putz cara, não sei não. Filme pornô é outra coisa, nunca fiz, não tenho muita idéia de como funciona não.”

“Porque, rapaz, eu já tentei viu?”

“Pode ser que seja montagem.”

“Montagem? Truque, você quer dizer?”

“É o seguinte: na hora em que os caras filmam, eles usam várias câmeras ao mesmo tempo. E filmam a mesma cena diversas vezes. Depois, esse material gravado vai para uma ilha de edição, que é um computador, e o sujeito vai juntando os pedaços de uma filmagem com outra. Então, parece que a coisa toda dura vinte minutos, meia hora, sei lá, o tempo que eles quiserem. Quando eles acharem que a cena tá boa, pegam o pedaço em que o cara goza e terminam o assunto.”

“Não pode ser… Sério que é truque? E eu pensava que era algum remédio que o sujeito comprava e aguentava aquilo tudo.”

Chega de má-criação

Deve ter um jeito de fazer isso tudo como um sacerdócio, como uma celebração do humano, como um processo de auto-conhecimento. Deve ter uma maneira de fazer isso tudo e ainda conseguir os recursos necessários para viver. Deve ter um jeito de viver sem ceder ao mercado, sem se dar um tiro no pé. Deve ter um jeito.

Em maio de 2013 eu encerrei minha reflexão sobre a “aposentadoria” com esse parágrafo. E não deixei ele lá parado. Realmente continuei tentando resolver esse quebra-cabeças, pagando as contas com a massagem. Me mantive o mais longe possível do teatro, evitando todo e qualquer “vem me ver” que aparecesse.

Eram as crianças, a falta de tempo, a distância… Na verdade não era nada disso. Era pura má-criação.

Nesse tempo eu fiquei pensando nisso, fiquei tentando encontrar os motivos que me levaram desde o início a permanecer no teatro, embora eu sempre me sentisse um estrangeiro no ofício.

Minha primeira cena foi essa: eu, com seis anos, entrando em cena vestido como Rei Mago sem a coroa e calçando um 752 da Vulcabrás. A professora tinha pedido que a gente viesse de sandálias, mas minha mãe decidiu que não iria comprar uma sandália para ser usada uma única vez. Então, eu entrei em cena com o sapato que iria usar para receber meu diploma de encerramento da pré-escola.

A segunda cena foi essa: eu, com talvez oito anos, entrando em cena com a mesma roupa vermelha de Rei Mago, sem a coroa, com um cachecol de lã branca enrolado na cabeça. Finalmente com a sandália, porque a apresentação era na Igreja da escola em que eu estudava, junto com meus amigos todos, também eles filhos de leigos que participavam dos trabalhos pastorais da comunidade.

A terceira cena foi essa: eu fingindo que estou cantando, na apresentação do coral. As músicas que eu não gostava eu fingia que cantava. Também aquelas que eu não lembrava bem das letras. Minha mãe fazendo críticas ao menino que cantava muito bem, mas que para ela era muito exibido.

Eu não me lembro bem quando começamos a usar o teatro para apresentar os seminários na escola. Não sei se isso aconteceu na quinta ou na sexta série. O que eu me recordo é que era um jeito de misturar a zoeira com o conhecimento e isso era o que mais me interessava. Me lembro de fazermos teatro de fantoches e que meu boneco era o Afanásio. Me lembro de imitar o locutor, de imitar o burro do Zé Bétio.

A primeira vez em que fui ao teatro eu devia estar na sexta série e me lembro que detestei aquilo tudo. Hoje não consigo discernir se era bom ou não, mas a peça foi bem vista na cidade. Acho que tem mais a ver com o fato de eu não gostar da professora de língua portuguesa, que era quem promoveu a ida ao teatro na época. E então, quando a luz apagava, eu fazia o que sabia fazer bem: zoeira sem limites.

Com onze anos eu entrei nessa fase do senso de humor incontrolável. Quinta série, as aulas de religião durante a semana e a catequese, aos sábados. Então eu comecei essa fase na catequese que se chamava Perseverança. A igreja não tem muito o que fazer com as crianças nesse intervalo que vai da Primeira Comunhão à Crisma e então, ficamos perseverando, ano após ano, ouvindo as mesmas ladainhas, dos 11 aos 14 anos até que chegue a Crisma, que é onde a coisa vai ficar séria. Eu gostava de tudo aquilo, mas o que eu gostava mais era da zoeira.

Eu esperava a semana toda até chegar o sábado. As aulas de catequese funcionavam na mesma escola em que eu estudava a semana toda, mas a disciplina era bem mais relaxada. Na escola existe o temor da repetência, da expulsão… mas na catequese, não. A igreja nos queria cristãos, mesmo com toda aquela zoeira. Então eu zoei em profundidade! Eu nem me lembro de tudo o que fiz com aquelas pessoas e catequistas. Eu me lembro de gente chorando, de gente brigando, de me chamarem para conversar. Então, com treze anos, fui expulso da catequese e fiquei só com as aulas de religião, obrigatórias.

A zoeira era arte, era caricatura. Era imitar o andar do outro e seus bordões. Era arrotar cantando e peidar alto. Era fazer publicidade da indústria de bebidas Nocu. Desenhar os vizinhos na rua, com gesso ou tijolo velho. Botar merda na caixa de fósforo e oferecer para as vizinhas. Vender mijo para bêbado. Jogar água na cara das meninas que iam ver a nova foto do Menudo. Com doze anos, eu era Jackass!

Os amigos de escola e de catequese eram quase os mesmos e em algum momento, a indisciplina dos sábados começou a tomar toda a semana. Uma professora querida avaliou o caso assim: “Ele é muito inteligente e criativo, mas parece que está usando toda sua inteligência para fazer o mal”. Meu pai, indignado, abriu as portas do inferno quando disse: “Você pensa que vai ganhar dinheiro fazendo gracinhas? Só quem ganha dinheiro fazendo palhaçada é o Didi Mocó, o Jô Soares e o Chico Anysio. Eu me lembro de ter pensado: “Nossa!!! Já pensou?”

À medida em que eu fui crescendo, comecei a me preocupar com esse negócio de ter uma profissão, de ganhar dinheiro. A zoeira continuava, mas sempre à paisana, nunca como profissão. A zoeira servia para catequisar os outros, quando virei catequista. Servia para a liturgia, quando comecei a me responsabilizar por coisas na igreja. Servia para ilustrar idéias, para fazer caricaturas dos outros.

O colegial técnico era bem exigente quanto aos estudos. Mas a turma era quase toda composta de homens e a zoeira era diária. Muitos dos meus colegas eram egressos da mesma escola em que eu havia feito o ginásio e então, levamos o teatro para os seminários de algumas matérias. Mas a gente não era muito chegado em assistir teatro. Éramos o terror do Aliança Francesa!!! Aquele tipo de público que joga papel na cena, chama o ator de viado e atriz de gostosa. Sim amigos, eu era o público terrível.

Eu fui ser ator nessa época, sendo aluno de um dos atores daquela peça que eu vi na sexta série. Numa escola que ficava de frente para o Paço Municipal, lugar da minha primeira apresentação com seis anos. Eu tinha dezessete anos e já não poderia fazer parte do grupo, mas mesmo assim, fui aceito. Ali eu decidi que faria Artes Cênicas, que abandonaria a eletrônica. Eu caminhava nove quilômetros para fazer teatro. Meu pai cortava a verba do ônibus e mesmo assim, eu ia.

Teatro foi se misturando com militância política, com Teologia da Libertação, com Pastoral da Juventude. E então, foi ficando coisa séria, mesmo com a zoeira sempre presente.

Quando eu fiz cursinho no Anglo, teatro começou a ficar artístico demais, rebuscado, com alguma erudição e aquela cri-critica de tudo. A zoeira sem compromisso foi voltando, virou bolsa no cursinho, virou assistência de direção, cenografia e atuação.

Quando eu coloquei o teatro como profissão, a obrigação de tirar a nota mais alta, de melhorar de vida, de ser muito bom no meu trabalho, etc… tudo isso foi achatando a zoeira até que chegou a um ponto em que eu parei de me divertir.

Eu me casei, comecei a ter contas a pagar. E foi nessa época que eu comecei a querer que o teatro me sustentasse. Então eu matei a zoeira de uma vez por todas. Ou pelo menos, pensei que sim.

Isso até o palhaço aparecer.

Jogo

Eu aprendi a tentar definir uma experiência usando as palavras, e aqui estou eu, tentando transformar experiência em raciocínio, raciocínio em palavra, palavra em comunicação, de um jeito que a experiência chegue até você.

Então você faz o caminho inverso e pega as palavras para chegar ao meu raciocínio, para então ver se consegue se colocar no meu lugar e então entender como aquela experiência me afetou.

Me parece um caminho longo e tortuoso. Parece que perdemos mais tempo tentando desenlaçar as intepretações para chegar a uma coisa que não se transmite dessa maneira.

E a escola, sendo isso. Sendo pior que isso, porque muitas vezes se tenta transmitir não a experiência, mas o conceito da experiência. O resumo escrito de algo, na forma de informação, de dados a serem alocados na memória para serem repetidos depois, de forma escrita, falada. Isso nunca vai ser experiência e nunca será conhecimento.

Talvez controle social. Só talvez. Parece-me que essa idéia de conhecimento, essa idéia de memorizar dados e transmitir informações tem a pretensão de gerar padrões de conduta, modelos de comportamento, uma programação de usos específicos para a sua energia vital. Mas isso tampouco funciona.

Lá está o governo e as empresas, vasculhando seus dados para ver se conseguem prever quais são as suas necessidades, qual é a melhor maneira de mantê-lo acuado, sob controle, quieto e sem ação. Olhando suas fotos, seus textos, sua comunicação digital, suas falas ao telefone, os filmes que você assiste, os produtos que você consome… então, nessa falsa premissa de que a experiência do que você é pode ser transmitida na forma de dados, imaginam que você pode ficar sob controle, seguindo o programa estabelecido. Mas não.

Não é que você se rebele, ou proteste. Você simplesmente é mais que o amontoado de dados transmitidos e essa é a maior encriptação que você possui. Você é o enigma.

Por isso o jogo. O jogo como maneira de partilhar experiências, não conceitos. O jogo, a festa, o rito puro.

Escolho o conceito e jogo com ele. Brinco. Crio a brincadeira para extrair do conceito a diversidade de experiências que ele contempla. Não se busca a interpretação única, a história linear do uso daquele conceito. Se busca a diversidade nas interpretações a multi-dimensionalidade do conceito. Não se joga para procurar respostas, mas para refinar perguntas.

O olho esse “algo”, isso que me toca e que transformo em conceito, como uma espécie de síntese. Enquanto o conceito guarda a interrogação do primeiro contato com esse “algo” , ele possui potência. Quando conceito se transforma em ponto final, ele morre. E fatalmente, se converterá em exclamação, como um movimento inútil para se tornar vivo.

Jogo é uma pergunta, com regras pontuais, para exclamar o humano e sua potência revelando a eterna reticência que o acompanha.

Notas sobre o Palhaço

Hoje é quatro de fevereiro de 2015.

Sem nenhuma das minhas velhas razões para fazer isso, eu me inscrevi num curso de palhaço, com a Quito. Não estou fazendo teatro, não tenho nenhum projeto em mente, não estou à procura de editais e nem me cooperativei novamente.

Eu só estava cansado da seriedade e me lembrei de o quanto era divertido ver as pessoas rindo por uma coisa que eu tinha inventado. Queria entender esse lugar do humor na vulnerabilidade, pensei que isso poderia me ajudar como terapeuta, que é como eu estou agora.

Então estou indo para o meu terceiro dia no workshop. E até ontem à noite, eu estava muito a vontade. Mas daí, eu fiquei inquieto… Comecei a pensar que devo estar fazendo alguma coisa errada. Devo estar escondido atrás de alguma técnica invisível, dessas que a gente desenvolve depois de longos anos praticando uma coisa.

Eu entro em cena e não tenho nada muito claro. Tenho uma vaga idéia de um caminho por onde eu poderia seguir. Se ele dá certo, ótimo. Se ele não dá certo, tudo bem. A cabeça funciona numa velocidade incrível e sempre dá para aproveitar alguma coisa que está acontecendo e resolver a cena de um jeito engraçado. Timming, sempre, já internalizado, já resolvido. Vinte anos fazendo comédia. Praticamente. Improvisando, resolvendo.

A Quito propõe o jogo e eu fico ali um tempo, vendo como meus colegas jogam. Vendo essa hora em que a estratégia não funciona e ninguém acha a menor graça no que você faz. Vendo como a gente cai na tristeza nessa hora e como isso te leva a energia de cena. E então, quando eu tento fazer isso, não acontece nada. De algum jeito, muito rapidamente, eu resolvo a coisa e a platéia gosta.

Estou fodido, entende?

Eu sei exatamente que lugar é aquele ali que aparece nas cenas dos meus colegas. Eu sei. E eu passo por ele batido. Dou um jeito. Ao menos ali, na cena, eu resolvo a coisa. Mas então eu fiquei pensando que eu não resolvo isso sempre na minha vida. No tempo em que eu estava atuando.

Não.

Eu chegava para fazer um teste numa produtora qualquer e me davam um papel com meu nome e idade. Depois, alguém me vestia de acordo e o assistente me dava um papel com um texto pequeno para decorar.

Desde o momento em que eu chego na produtora e vejo mil colegas na fila, todos eles endividados como eu, todos eles tentando ser divertidos, falando sobre os projetos e etc, desde o primeiro segundo até o momento em que finalmente chega a minha vez e eu começo a cena, sem ter certeza de que é isso o que eles querem, se eu estou bem, se vou ganhar aquela grana, se o outro cara foi melhor do que eu, se aquela cara do assistente é cansaço, tédio, desolação pela minha cena ou se é algo da vida dele que não vai bem, se aquele cara da câmera atendendo o celular durante o trabalho se ele já sabe que eu não sirvo pra isso… E então eu me lembro que esqueci a DRT em casa e eles não vão me pagar o cachê teste, que é uma miséria sempre… Ali eu não consigo me divertir! Ali entra algo que acaba com o Palhaço, se é que é ele quem se expressa quando eu entro em cena.

Somente uma vez na minha carreira eu não senti isso. Foi quando eu fiz o teste para o “Cabeça”, num seriado on-line para a Locaweb. Foi algo externo a mim, algo que eu não manejei ainda. O briefing era muito bom e o personagem não tinha tantas falas no roteiro. Eu podia fazer o que quisesse. Então eu me diverti. Fiz o que bem entendi, mesmo que desse errado. Eu aproveitava qualquer estímulo e incluia no aloprado. Pronto.

E aí peguei o papel. Voltei de um outro trabalho e parece que toda a equipe falava do meu teste, que tinha sido ótimo. As pessoas já sabiam quem eu era. E nas filmagens, eu sempre me divertia muito.

Isso até que o Cabeça deu certo.

Então, o cliente arranjou mais texto para o Cabeça. Criamos o “funk do cabeça”e aí, depois disso, esse outro “algo”apareceu e tudo aquilo ficou muito amargo para mim.

Hoje está parecendo pra mim que o Palhaço é o diabo desse Ator que pretende o sucesso, a fama, a glória, os rios de dinheiro. Parece que ele é a verdade desse “Gênio-incompreendido”, desse ator sem importância, fracassado, cheio de dívidas e mentiroso.

De volta ao palco e então eu sinto o perigo da situação. A platéia pode gostar ou não do que eu faço. À princípio, eu esqueço completamente deles. Só me lembro que estão ali, quando dão as primeiras risadas. Então percebo que funcionou  e continuo jogando.  Ali, na terra da Micagem, eu domino.

Mas nessa vida a sério, essa sensação de fracasso, de humilhação, de miséria, de incompreensão, de abandono, ela me desanima e me faz desistir de ser visto.

Sabendo que sou eu, num estado ou no outro, aquele que atribui valor em ambas as situações.

Eu gostaria de tomar contato com esse lugar de desconforto e ver o que acontece, quando eu entro nele. Será que isso vai acontecer em algum momento, nesse workshop?

Será que eu descobri, de algum modo, com essa associação de idéias um modo de trazer o Palhaço adiante quando a humilhação for inevitável?

Me parece que tudo o que fiz de arriscado foi conduzido por esse espírito do Palhaço. Tudo. Essa maneira de dar respostas à vida com o mote: “Não sei fazer isso, nunca fiz isso, preciso desse recurso e na hora eu dou um jeito, faço qualquer coisa, resolvo, mesmo que dê errado”. E resolvo.

Então entra o “ARTISTA”, o “GÊNIO” e ele me fode!

Ele não entra em cena, como o Palhaço.

Não. Ele fica nos bastidores, contando os espectadores, lutando contra as opiniões e as críticas, reclamando das péssimas condições de trabalho, chorando pelo cachê teste e a falta das políticas culturais.

Eu ainda não sei se esse estado em que entro quando estou em cena e as pessoas riem é o estado do Palhaço. Eu me sinto vulnerável ali, mas não me importo.

E parece que com isso sou invulnerável.

Só gostaria de ser assim durante mais tempo na minha vida.

O Coyote

Enquanto eu escrevo esse post, na minha mente se desenha um cenário cada vez mais sombrio. São Paulo está sem água, crise anunciada há anos. Os movimentos desenhados por parte da população são: cobrar o poder público, denunciar e especialmente, reclamar do vizinho.

Uma vez eu tive essa sensação estranha, quando o ex-prefeito e hoje ministro das Cidades, Gilberto Kassab, impediu o trânsito dos caminhões na cidade em determinados horários. Os entregadores de combustível protestaram e a cidade ficou alguns dias sem entrega. As pessoas faziam filas nos postos de gasolina.

Também me lembro da mesma sensação quando enchentes terríveis impediam o trânsito pela cidade e as pessoas ficavam desoladas porque não conseguiriam chegar ao trabalho.

Essa idéia de seguir com tudo normalmente, como se nada estivesse acontecendo, isso me assusta um pouco. A professora, na minha timeline, reclamando porque vai ter de ir trabalhar sem tomar banho.

Então compramos galões e estocamos a água da chuva e achamos que podemos seguir mais alguns dias. Fiscalizamos o vizinho lavando a calçada. Exigimos que o governo e a empresa sejam transparentes e revelem quem está sendo favorecido com a escassez de água… E os reservatórios seguem baixando, apesar das chuvas constantes.

Seguiremos passando talco no suvaco, cagando no seco, bebendo água contaminada, tudo para continuar trabalhando, produzindo e consumindo.

Isso pra mim parece o Coyote, do Papa Léguas, caindo no vazio, pensando que ainda tem pista para correr.

Não existe essa coisa chamada “O governo”.

Pense nas eleições do ano passado e veja quantos votos nulos e em branco existiram. Isso sem contar as inúmeras pessoas que votaram num ou noutro candidato para que seu opositor não ganhasse. Um voto chantageado, não uma opção.

Então esses sujeitos que aí estão, quem é que eles estão representando?

AMBEV, FRIBOI, o agronegócio em si. Empreiteiras, Previdência Privada, Bancos, Seguradoras, Conglomerado de mídia, Igrejas. Seus financiadores de campanha.

Enquanto isso, de nossa parte, aprendemos que democracia é produzir e consumir. E cidadania é pagar mais caro pela melhor opção ou reclamar. Que merda é essa? Isso é escravidão, amigo. Enquanto você segue prestando serviço de má vontade nessa empresa, fazendo esse trabalho só para garantir que você possa pagar suas contas e comprar produtos feitos por outras empresas, com a mesma qualidade péssima de serviço, enquanto isso, você não percebe mas é um escravo.

Experimente boicotar o supermercado, por exemplo. Veja quão complicado é. Ou parar de consumir aquele produto que você sabe que vai te gerar uma doença grave. Abandone esse emprego onde você é maltratado diariamente. Esse trabalho em que, de algum modo, você faz veneno para o seu filho e o do seu vizinho tomarem, agora ou no futuro.

Pegue sua energia vital e direcione para algo que gere mais vida. Veja se você consegue pensar em algo. Veja se é fácil. Se vida, para você, não sempre significou essa máquina de moer carne que se chama mercado. Em suas infinitas variações, certificações, diplomas e créditos facilitados. E depois, as dívidas sem fim. E essa dificuldade de abandonar aquilo que não te serve, mesmo quando a catástrofe se anuncia.

Existe água aqui, na quadra de baixo. Um rio, mal gerido pela SABESP, como tantos outros. Existem terrenos vazios no meu bairro. Existem vizinhos, que se não estivessem ocupados com essa lavagem cerebral que tem por mote “trabalho, consumo e vejo TV”, estariam comigo, agora mesmo, construindo reservatórios…

Não é preciso ser especialista em nada, para resolver esse tipo de coisa. Um grupo de pessoas dedicado a isso, empenhado na sobrevivência de sua comunidade e tudo se resolveria localmente.

Essa empresa que administra nossa água se converteu num Leviatã. Não sabemos quem lucra com nossa penúria e muito menos quem ainda continua recebendo água diariamente enquanto bairros inteiros permanecem sem água. É a prova mais que evidente que, para nós cidadãos, essa empresa consiste num obstáculo ao nosso direito democrático de gerir a nossa própria água.

Isso, só para começar.

Água, alimento, moradia, saúde e a educação dos seus filhos. Para perpetuar essa idiotice ou para tomar de volta o que é meu e seu?

A velha

Então eu vejo essa menininha entrando nesse jardim abandonado.

O mato cresce solto, sem nenhum cuidado, por toda a parte.

Não entendi bem de onde a menina veio. Parece que chegou aqui por acaso. Talvez esteja perdida.

Ao mesmo tempo que eu, a menina vê a velha sentada no banco.

A velha tricota infindavelmente uma manta que se arrasta pelo chão.

Não consigo explicar essa sensação de perigo que sinto ao ver a menina se aproximando da velha para pedir, talvez, informações sobre como sair daqui.

“Bom dia, eu estou procurando a saída desse lugar.”

“Talvez seja uma boa idéia você voltar por onde veio.” – responde a velha, usando a lógica com a qual tricota.

“Não sei por onde vim. Quando me dei conta, já estava aqui.”

“Hmmm.”- resmunga a velha, como se estivesse diante de um problema de difícil resolução.

“Desculpe. Eu não me apresentei antes. Meu nome é Carolina. Eu cheguei até aqui, não sei como e agora gostaria de sair. Estou preocupada com os meus pais.”

“Carolina?”- a velha então ri.

“Sim, Carolina. Por que a senhora riu?”

“Porque você disse que seu nome é Carolina.”

“Sim. A senhora conhece alguém com esse nome?”

“Seu nome não é Carolina.”

“É sim!”- responde a menina sem entender direito onde a velha pretende chegar com a conversa.

“Entendi. Eles disseram a você que seu nome é Carolina.”

“Todo mundo me chama de Carolina.”

“Mas o seu nome verdadeiro é Nádia.”

“Como?”

“Nádia.”

“Não. Nunca.”

“Esse casal, que você chama de pais, eles não são seus pais de verdade. Eu conheci sua família, muito tempo atrás…”- foi aqui que eu me dei conta do que a velha estava fazendo. Eu queria gritar, avisar a menina para sair dali, mas estava paralisado.

“Seus pais morreram num acidente de carro quando você ainda era um bebê. Você foi a única sobrevivente e então esse casal lhe adotou e chamou você de Carolina.”

“Não, não é verdade!”

“Nádia. Filha de Ivan e Micaela. Os dois mortos, num acidente de carro.”

Eu sabia que era mentira.

Que a velha estava inventando essa biografia por pura maldade.

Mas a menina, a menina não sabia.

Ela estava acreditando na velha.

A velha e todas as histórias já contadas, todos os roteiros já previstos, toda tragédia do mundo, esmagando a história que a menina conhecia sobre si mesma, também essa uma história contada por outros.

Eu sabia que a esperança estava em a menina ser capaz de tecer a própria história, mas não podia me mover. Não podia fazer nada a respeito.

Eu era testemunha dessa morte e não podia sair dessa condição.

Foi então que eu percebi o pesadelo.

E acordei.

Uma nova democracia

Eu hoje perdi meu sono mais uma vez, porque confiei algo essencial para mim a um terceiro que me traiu. Fui tomando decisões ao longo do curso de minha vida que acabaram me impedindo de agir sobre a água que bebo e agora, ela corre o risco de acabar. Pensei que bastava eu cumprir uma grade escolar e depois decidir sobre uma maneira determinada de participar da coletividade, que seria o trabalho, cumprindo uma função especializada em troca de alguns benefícios e de dinheiro para que eu pudesse ter opções de serviço e de conforto, de acordo com meus méritos.

E agora, me vejo sem água. Algo tão simples, tão ridículo. E eu não sei como gerar essa água de que necessito. Eu tenho reservas aqui, porque antevi esse problema a quatro anos atrás. Então, fiz como meu avô, que construiu uma cisterna em casa para se prevenir contra as épocas de seca lá na Paraíba. E quando construí minha casa, coloquei duas caixas de mil litros para armazenar a água que viria desse traidor. Então, entre cisterna, caixa de reúso e água que o traidor me fornece eu tenho uma reserva de 6500l.

Nós agüentaríamos uma seca breve, mas não o cenário sombrio que se aproxima.

E por ter feito essas opções todas que me impediram de agir sobre a água antes, eu acordei e fiquei tentando resolver os 40 anos de negligência de minha parte. O que eu poderia ter feito? O que precisa ser feito agora? Porque chegamos a isso?

Eu tinha uns 10 anos e fui visitar meu avô Manoel Guilherme. Do lado de fora da casa, uma construção em forma de caixa, toda em alvenaria. Do telhado, descia um cano que entrava naquela construção e um outro que saia dela.

“O que é isso, pai?”

“Uma cisterna.”

“Pra quê serve?”

“Seu avô mandou construir isso para guardar a água da chuva.”

Meu avô então acrescentou: “Quando eu era menino, costumava faltar água sempre. Então, quando eu cresci, pensei que podia guardar a água da chuva para as épocas de seca. Aqui em Sapé, quando falta água na cidade, só quem tem água sou eu e o hospital.” E ria.

Eu, que via meu pai reclamando o tempo todo sobre a conta d’água achei aquela idéia genial. E pensei que se um dia eu construísse a minha casa, eu também teria uma cisterna.

O que aconteceu ali? Uma experiência compartilhada que me gerou repertório de ações. Quando eu tive a oportunidade, agi e construi minha cisterna. Mesmo assim, tive que contratar pedreiros, que também me traíram, cada um à sua maneira. E foi durante essa enorme obra, esse trabalho colossal, que eu comecei a pensar sobre esse assunto: pra essas coisas que nos são essenciais, não podemos delegar tudo a alguém. Temos que ter mecanismos de supervisionar, de agir, de aprender a partir da experiência, de intercambiar.

Em tudo o que eu estive fazendo dessa maneira na obra da minha casa, eu aprendi. Aquilo que eu optei por não fazer, porque achei pesado demais, sujo demais, braçal demais, isso foi o que me gerou complicação. Eu detinha o poder econômico mas não detinha o poder de ação. É preciso ter os dois. Os dois e também o poder de fazer o acordo e de julgar se esse acordo estava ou não sendo cumprido. E não reinvidico esse poder apenas para mim, senão para todos os envolvidos, cada um com suas famílias e contas a pagar.

E agora, de volta a essa questão da água e da democracia como já pode ser. Existem essas ferramentas de participação na gestão pública, em temas pontuais, como o Bicidade, o Colab e o DemocracyOS. Mas ainda me parecem um pouco com a experiência que tive de colocar as contas numa planilha de custos para poder não extrapolar meu orçamento e não ser lesado pela equipe que trabalhava pra mim. Funcionava para ter as informações às claras, na ação de reinvidicar, mas ainda não serviam como ferramentas que facilitassem minha participação no processo.

Na minha vida prática, existem essas situações em que a reinvidicação encontra uma barreira intransponível. Você tenta negociar com o prestador e o sujeito trava. Se você não tem opções, fica sequestrado e acaba decidindo com base no que o prestador oferece. É preciso ter meios ágeis de cortar o financiamento e de encontrar opções. Se algo não anda, você corta o recurso e investe sua energia em encontrar alternativas. Não pode ser obrigado a escolher entre o menos pior. Isso a gente faz por falta de informação sobre as opções disponíveis.

Por isso essas plataformas de financiamento como Kickstarter, Vaquinha, Indiegogo, Catarse entre outras são tão geniais. E já poderiam ser usadas para financiar diretamente obras do interesse da comunidade. Isso poderia ser um substitutivo ao imposto de renda, além de servir como um incentivo ao pequeno empreendedor local. Ao invés de favorecer grandes construtoras e obras gigantescas, boa parte do dinheiro da comunidade serviria para atender pequenos empreiteiros que seriam diretamente inspecionados pela comunidade.

Coisas como a água, eletricidade, comida… tudo isso está armado dessa maneira, com grandes fornecedores centralizando a produção e a distribuição desses recursos, por que esses sujeitos ganham muito dinheiro com isso. Mas não é eficiente de maneira alguma. O mundo opensource é a maior prova disso. A agilidade nas implementações, no desenvolvimento e na correção de problemas é impressionante. A única regra é que não pode haver segredos. Todo o código é compartilhado e qualquer pessoa que queira participar é bem vinda.

Abra o código do tratamento de água domiciliar, da geração de energia elétrica a partir do sol, das hortas caseiras e das hortas comunitárias e então, cortamos um monte de recursos financeiros que estão indo para as mãos dos 5% que centralizam a produção e distribuição de recursos. Compartilhe e receba mil vezes mais.

Saúde, educação, energia, água… muita coisa já poderia ser resolvida na esfera de participação popular. Temos hoje mecanismos mais eficientes do que as aborrecidas reuniões de comitês para deliberar sobre isso ou aquilo. E quando isso acontecer, veremos quem são aqueles que ganham com as grandes obras e a quem elas realmente favorecem.

Óbvio que isso vai mexer com o sistema de trabalho, que é todo estruturado em representatividade. Porque elejo especialistas que me oferecem determinado serviço, sem que eu possa me engajar no aprendizado desse serviço, porque o macete é segredo, aprendido por um sistema de ensino que centraliza essas informações. Mas se a experiência for a participação, qualquer cidadão pode aprender a fazer qualquer coisa, se engajando nos projetos de acordo com seus interesses e sendo recompensado proporcionalmente aos seus méritos e à importância de sua ação para a comunidade.

Vai desacomodar muita coisa. Inclusive esse nosso hábito de consumir a realidade, como se ela fosse algo pronto e não tivésemos que fazer mais nada à respeito.

O melhor de nós

O que ontem era o sol, agora é a lua.

Mas ao sol, atou-se o rei

o ouro

a riqueza

a razão

os valores

a lucidez

e então, quando a lua veio

o rei tornou-se um louco

o ouro desapareceu

a riqueza de apagou

a razão se perdeu

a torpeza virou moeda

a loucura virou hábito

Como foi que aconteceu?

Atado ao sol e percebendo a chegada da lua, o rei gastou enormes somas pretendendo manter para sempre o sol em seu lugar. Chamou para si os maiores sábios da terra e deu a ele recursos ilimitados para que resolvessem a seguinte questão: o que pode ser mais importante que o sol?

Mil homens se queimaram, por buscar as respostas além do sol, até que os sábios restantes entraram em acordo que além do sol só havia a morte.

Os homens que se lembravam da existência da lua tentaram argumentar, primeiro com os sábios e depois com o próprio rei. Mas foram enviados para além do sol, de maneira que pudessem provar seu argumento. Nenhum deles retornou.

Os poucos que permaneceram resolveram seus dilemas com segredos, códigos, mentiras e silêncio. Eles sabiam que além do sol havia a lua, que de fato, aquilo que já se avistava no céu já era a lua, mas que o rei e os sábios haviam mudado o nome da coisa para manter o significado do sol.

E isso sucedeu de tal maneira que, ao cabo de algumas gerações, os homens não sabiam mais o que era sol e o que não era e se tornaram dependentes dos sábios para que esses lhes interpretassem os sinais. Nesse tempo, não havia mais os homens que se lembravam de que aquele céu negro era de fato a noite. E os homens dessa época eram acometidos por estranhas imagens e monstros com os quais raramente podiam lutar.

Se tornou comum as histórias de gente que, enfrentando esses espíritos eram subitamente lançados e outro lugar, onde encontravam seus familiares, também eles acossados por monstros em distintos pontos do reino. Homens e mulheres dessa época já não distinguiam entre sonho e realidade e passaram a se armar contra os monstros imaginários, concluindo seus atos com assassinatos reais.

Rei, sábios, homens comuns, todos submetidos a uma cartografia impossível, a um território sem limites e a monstros que os atormentavam a todo instante, por mais escondidos que estivessem, sem que se pudesse diferenciar o dia da noite; o sonho, do real; a crença, do recurso.

Os homens empobreciam dia a dia, pois trabalhavam no sonho esperando a colheita na realidade. Sábios gastavam recursos reais com sonhos que nunca se esgotavam. E o rei perseguia miragens de homens obedientes e monumentos feitos em sonho, enquanto que na realidade, se via envolto em traições e intrigas, com seu valor decaindo mais e mais.

Os homens-segredo, aqueles que se lembravam da realidade do sol e da realidade da lua imaginaram que, a única maneira de fazer com que seus semelhantes acordassem de tal pesadelo era criar, na realidade, atos de sonho. Ordenar o sonhar, de tal maneira que a loucura dessa época fosse abalada pelo sublime.

Então criaram esses grandes espetáculos coletivos, monumentos fabulosos, direcionando recursos de reis e homens sábios para criar miragens que dessem direção ao sonhar. Mas a cada geração, tornavam os homens ainda mais dependentes.

Ainda se esforçando para resgatar o sentido, os homens-segredo tentaram o caminho inverso: criar no sonhar, atos de realidade. Nesse caminho entraram homens comuns, sábios e até mesmo o rei, buscando um espírito perdido em miríades de sonhos e imagens desconexas. Almas se silenciaram, sabedorias se abalaram, e reis se perderam, mas a realidade e o sonho continuavam mescladas com a loucura.

Nesse tempo, o tempo do agora, é o tempo em que os homens-segredo tentam trazer mais uma vez, sol e lua de volta. Eles agem na realidade e re-significam seus atos no sonhar. Ações de sol e ações de lua, para finalmente, colocar as coisas no devido lugar.

Autonomia é Rebelião

Na escola eu aprendi que os modos de viver de outros povos eram atrasados e que a história era uma sucessão de progressos que levava fatalmente à Revolução Industrial, depois à Revolução Verde e finalmente à Hiroshima e depois ao Vietnã de Stallone. Na minha adolescência, a ficção e a história se misturaram definitivamente e durante algum tempo, eu cheguei a crer na guerra e na matança como ferramentas de limpeza daquilo que era indesejado. A guerra sendo o Pinho Sol da história.

Então o desconforto de achar algo errado nessa lógica. Esse desconforto e mais a imensa quantidade de hormônios circulando por todos os lados e uma enorme confusão mental.

E eu fui seguindo o roteiro pronto. Seguindo o roteiro pronto daquele que se rebela e resolve fazer as coisas “do seu jeito”. Então, enquanto meus amigos iam por ali, eu ia por lá. Enquanto se meteram a ganhar dinheiro, eu me opus a isso. E achei que essa oposição era fazer o que se gosta e que fazer o que se gosta era não ganhar dinheiro. Neguei o dinheiro. Neguei o meu próprio valor ao negar o dinheiro e o caminho de meus amigos. Na verdade, eu traçava o caminho dos meus amigos ao negá-lo. Era preciso que eu estivesse ali, negando esse caminho, para que aquele caminho se definisse como verdadeiro.

Fui dando o meu jeito de permanecer abastado, mesmo à margem. Mas permanecia dependente daquele caminho, como se aquele caminho também margeasse o meu. Como se, na ausência dessa oposição entre os caminhos, não houvesse nenhum contorno definido entre uma opção e outra. Como se nessa ausência, eu me desse conta de que não tínhamos ali nenhuma opção. Ficar entre alternativas já estabelecidas não significa fazer as coisas do seu jeito.

Qual a escolha real?

Fazer as coisas do meu jeito. O que significa isso? O quanto estou disposto a isso? Isso realmente significa autonomia? Eu precisaria me apartar de todos os outros para fazer as coisas do meu jeito?

Então vamos a isso.

Enquanto eu permanecer à margem, o caminho que impera vai continuar definido. Então não ficarei à margem. Enquanto eu negar esse caminho, ele se afirmará. Então não o negarei. Enquanto me oponho a ele, mas dependente dele eu fico. Não me oporei a ele. Mas também não posso colocar nele nenhum recurso meu. Nada. Nem meu afeto, nem minha mente, nem meus atos.

É preciso cortar a dependência desse outro caminho para que o meu se defina. Então é preciso definir o meu caminho para além da oposição. É preciso ganhar minha própria ação e arcar com a responsabilidade total sobre isso. Coração, mente e braços totalmente engajados nisso que chamo de autonomia. Que é um caminho meu apenas e não tem nada com o outro. Não tenho nada com ele e ao mesmo tempo, busco relação com ele sem me envolver nas suas coisas. Busco o benefício da relação, ofereço o meu melhor e deixo o outro em paz com sua escolha e seu caminho.

E sigo adiante, quando bem entender.

 

 

A tradução do ir-se

No passado, eu teria apenas ido para uma outra geografia e estaria distante de você e de seus assuntos. Mas agora, com tantos aparatos, você me demanda mesmo à distância. Um número de celular e já estou novamente nas suas coordenadas, recebendo seus pensamentos e suas preocupações e sua idéia de que eles me pertencem de algum modo. Demandando as minhas ações para os seus problemas. Trocando isso por algum afeto existente entre nós. Usando o afeto como a moeda, agora de forma clara.

Então um recado e suas garras se estendendo ao meu redor, pretendendo me mover novamente para a sua órbita. Não.

Não farei. Não me moverei. Não resolverei seus problemas.

Não tenho nada com eles e só me importo com o fato de que você ainda não compreendeu a noção de distância.

Me deixe em paz.